mídia
Como explorar todo o potencial de mercado no varejo farmacêutico?
30 nov '16

A economia compartilhada é uma tendência que veio para ficar. Em tempos de Uber, Netflix e Airbnb, surgem modelos de negócios inéditos para atender aos novos comportamentos do shopper e das empresas, que estão cada vez mais conectadas e buscando maneiras eficientes de aumentar as vendas e melhorar a eficiência operacional.

Segundo a pesquisa “Economia Colaborativa na América Latina”, realizada recentemente, pela escola de negócios IE Business School em conjunto com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Ministério da Economia e Competitividade Espanhol, o Brasil aparece em primeiro lugar em iniciativas de economia compartilhada, com 32% de ações focadas neste objetivo.

Essa experiência de compartilhamento não é exclusiva apenas de empresas de tecnologia ou start ups de inovação. Empresas B2B e com foco em mercados muito específicos como o mercado de saúde e bem-estar, também podem aproveitar esta tendência para aproveitar melhor o potencial dos mercados e crescer receita.

Por exemplo, em situações em que a indústria farmacêutica precisa expandir sua cobertura do mercado sem grande investimento inicial, uma alternativa é investir em modelos compartilhada para promover o sell out dos produtos.

A opção pelo uso de uma solução compartilhada é uma excelente estratégia tanto para as indústrias farmacêuticas que estão tentando entrar em algum novo mercado, quanto para as que buscam um incremento de receita com o impulsionamento das vendas de um produto sazonal, novos setores ou regiões inviáveis no atendimento com estruturas próprias e dedicadas.

Por três importantes motivos:

Otimização de recurso
Aumento de venda
Otimização de custo

Muitas vezes, por uma limitação de estrutura de equipe algumas indústrias deixam de atender painéis menores ou em regiões mais afastadas, perdendo assim excelentes oportunidades comerciais.

Portanto, ao adotar um programa de relacionamento e vendas compartilhado você amplia a cobertura de aproximação do varejo e seus diferentes segmentos.

Dessa forma, a indústria consegue explorar todo o potencial de mercado, conquistar novos clientes com a horizontalização da grade de produtos dentro de outras camadas da pirâmide do varejo farmacêutico, e ainda fazer a positivação do portfólio.

Está na hora de considerar opções de baixo custo e máxima eficiência para buscar maior penetração e cobertura da distribuição. Inove e venda mais!

Fonte: Grupo InterPlayers

+ MÍDIA