notícias
A importância de investir na farmácia para crescer
03 fev '16

Imagem: © .shock

Considerando o momento econômico que estamos atravessando, e percebendo a luta das empresas pela sobrevivência e perpetuação no mercado, incluindo farmácias, falar da necessidade de investimentos que propiciem crescimento pode parecer, a princípio, contradição e utopia. No entanto, destaco o fato de que, se não houver essa preocupação de crescer, no direcionamento das ações operacionais e estratégicas de qualquer empreendimento, podemos sacramentar a falta de condições para continuar existindo.

Investir na empresa significa oferecer condições para que esta esteja cada vez mais preparada para novos desafios quando a economia voltar a aquecer – trazendo aumento de concorrência no segmento, diferenciais nas ações de vendas e no atendimento do pós-vendas, inovações tecnológicas de produtos ou serviços, e guerra de preços, entre outras situações.

Nesse caso, investimento necessariamente não representa tão somente colocar mais dinheiro no caixa, mas também a atualização dos gestores com informações relacionadas ao produto/serviço, o mercado de atuação (clientes, concorrentes, fornecedores, parceiros, colaboradores, etc.), e tendências de comportamento da economia - inclusive considerando cenários políticos que interferem diretamente no ambiente econômico.

O “crescer” em uma empresa pode ser percebido mais com o ganho de forças e poder de competitividade do que com o aumento do espaço físico, número de pessoas, quantidade de máquinas, etc. Na realidade, o crescimento está mais relacionado ao aumento do volume de produção e de vendas e/ou prestação de serviços. Esses são alguns dos fatores que realmente vão proporcionar maior geração de lucro no negócio.

Ao crescer, o empreendimento demonstra, acima de tudo, a capacidade gerencial das pessoas à frente do comando das atividades operacionais - principalmente, da formulação das estratégias de atuação da empresa no mercado, sendo uma delas a própria definição da utilização do lucro gerado no momento presente. Ou seja, ter o lucro como uma das reservas de recursos financeiros que subsidiarão o crescimento planejado da organização.

Com isso, a importância de investirmos no crescimento da empresa, quer com o seu próprio lucro, quer com capital dos sócios ou mesmo com recursos de terceiros, fundamenta-se no objetivo de que ela desenvolva mais forças competitivas, permaneça por mais tempo em atividade e conquiste maior participação das vendas totais no mercado onde atua.

Por: Geraldo Monteiro
É mestre em Administração pela Fecap, Assessor Econômico da ABCFARMA, Diretor Executivo da ABRADILAN e professor da FMU e de pós-graduação nas Faculdades Oswaldo Cruz - economes@terra.com.br

+ NOTÍCIAS