notícias
CARNAVAL - Desidratação, ressaca. O dia seguinte da folia
04 jan '18

Foto: © DisobeyArt

Difícil escapar da fórmula de todo ano: Carnaval é tempo de animação além da conta, potencializada pelo calor e, quase inevitavelmente, bebidas alcoólicas. E o preço a pagar, no chamado “day after”, quando os tamborins se calam, também é o mesmo de todo ano. A ressaca é uma companheira fiel da folia – assim como a desidratação, provocada pela “queima” dos líquidos corporais, sem a necessária reposição. Mas folia além da conta também tem remédio – como ensina aqui o neurologista Abouch Krymchantowski.

Ressaca é sinônimo de dor de cabeça pesada. O Dr. Abouch explica que a dor de cabeça derivada de um estado de ressaca pode durar várias horas e ser agravada por qualquer esforço físico. “Ela acontece devido ao fato de as bebidas alcoólicas conterem substâncias que dilatam os vasos sanguíneos”, diz. O problema é agravado pela diminuição dos níveis de açúcar no sangue, além da desidratação provocada naturalmente pelo álcool. Por isso, o neurologista reforça os tradicionais conselhos para quem não abre mão da bebida: comer bem e tomar bastante água antes e durante a folia, de preferência um a dois copos entre cada dose de álcool consumida.

Segundo o médico, misturar vários tipos de bebidas também pode intensificar a ressaca no dia seguinte. “O problema é que as bebidas fermentadas (cerveja, chope e vinhos) trazem substâncias além do álcool, que, para certas pessoas, como as que sofrem de enxaqueca, são problemáticas”, explica. Ele lembra que calor em excesso, sono insuficiente e longos períodos em jejum também são desencadeadores da cefaleia. Para quem tem crises com frequência, ele recomenda ter sempre à mão os remédios recomendados pelo médico e tomá-los logo no início da dor. Já para a dor de cabeça simples, provocada pela ressaca, ele sugere que sejam evitados os anti-inflamatórios, como a aspirina, que podem intensificar a agressão ao estômago que o álcool já provoca.

O neurologista também dá um aviso: produtos vendidos com o apelo de proteger o fígado dos efeitos do álcool não funcionam: “Pode-se tomar toneladas que o efeito do álcool não vai mudar”. Já produtos como o popular Engov, segundo ele, podem ser eficazes porque contêm cafeína, um estimulante central, e ergotamina, um vasodilatador.

Se não for possível evitar excessos, veja algumas dicas para não sofrer no dia seguinte:

- Coma frutas antes de beber. A frutose, açúcar presente nesses alimentos, evita que o nível de açúcar no sangue diminua com a bebida

- Nunca beba de estômago vazio

- Evite alimentos de digestão difícil, como feijoada e carnes vermelhas, e escolha bebidas com menor teor alcoólico, como cervejas leves

- Reserve um tempo entre as comemorações para dormir à tarde e se alimentar em intervalos regulares;

- Depois de beber, tome pelo menos meio litro de água antes de dormir

- Não tome café durante a ressaca, pois ele tem ação diurética. Beba líquidos adoçados, de preferência sucos naturais de frutas, que ajudam a combater a desidratação e a hipoglicemia

- Se você tem um analgésico que foi prescrito por um médico e decididamente lhe faz efeito, tenha-o à mão

- O vômito pode piorar a irritação gástrica e do esôfago, por isso não deve ser provocado

- Nunca beba mais durante a manhã para “curar” a ressaca. Este é o primeiro passo para o alcoolismo.

REFORÇO NA HIDRATAÇÃO

A hidratação correta é essencial nos dias de calor e se torna ainda mais importante nos dias de festa. O ideal é beber cerca de 1,5 litro ao longo do dia (ou da festa). Reforça o nutrólogo Daniel Magnoni, do Hospital do Coração (Hcor), em São Paulo.

Ao ingerir bebida alcoólica além da conta, a pessoa deve alternar esses drinks com alguns copos de água para poder aproveitar a festa por mais tempo. A água ajuda o sangue a conduzir os nutrientes como glicose e vitaminas para todo o corpo, diminuindo a intensidade da ressaca.

E, mesmo com todo o cansaço, o ideal é ficar longe das bebidas energéticas, principalmente se o dia estiver quente ou se o consumo de álcool for elevado.

- Os energéticos aceleram o coração e a pessoa pode correr o risco de ter taquicardia – alerta o médico.

Quem vai ficar muito tempo sem comer pode apostar nos shakes de proteína. Dica da nutricionista Fernanda Machado:

- Antes de sair de casa prepare no liquidificador e beba gelado um shake de ½ copo de iogurte desnatado, ½ pacote de polpa de morango e 1 colher de sopa de whey protein hidrolizado e 150ml de leite desnatado. A mistura só não é recomendada para quem tem problemas renais. Vitaminas com maçã ajudam a diminuir as dores de cabeça, e com couve manteiga melhoram a digestão e acalmam a mucosa do estômago, além de ajudar a segurar a fome.

+ NOTÍCIAS