notícias
O Lombo Assado e o Ano Novo
04 jan '18

Foto: © Stock Photo

Certa feita, a família Monteiro decidira reunir-se para celebrar a chegada do Ano Novo. Cintia, uma jovem de 18 anos, comprometera-se com sua mãe, dona Alice, a preparar, pela primeira vez na sua vida, o tradicional lombo assado - receita que há décadas encantava a família no início de um novo ano.

Para não cometer um equívoco diante do tradicional desafio, a jovem buscou ler a receita uma semana antes, para não falhar no momento da execução, na importante data que se aproximava. E percebeu, através da leitura antecipada, que além dos tradicionais temperos, era necessário cortar as pontas do lombo, antes de assar. Sem entender o porquê, perguntou para sua mãe a respeito desses necessários cortes. Dona Alice respondeu-lhe que desconhecia o motivo de tal obrigação, pois sua própria mãe, dona Lúcia, tinha lhe passado a receita dessa forma. “Para que mudar o que sempre deu certo?” A jovem não se deu por contente.

E foi até a casa de sua avó, que também iria participar da festa, perguntar por que, após temperar o lombo, era necessário cortar as pontas antes de assar. Dona Lúcia, com a doçura natural de avó, respondeu para a netinha, que ela carinhosamente chamava de Cinti, que desconhecia o motivo a constar na receita. Mas acrescentou o seguinte comentário: “Cinti, faça como manda a receita...não deu sempre certo? Minha neta, não invente moda mudando a receita...”. E complementou dizendo que assim aprendera com dona Letícia, a bisa da jovem, que ainda gozava de saúde exemplar aos 90 anos de idade. A curiosidade normal dos 18 anos de Cintia levou-a até a casa da bisa, dona Letícia, para entender por que na família, que se reunia há 70 anos para celebrar o Dia Mundial da Paz, era hábito cortar as benditas pontas da peça ainda crua da carne.

Eis que finalmente dona Letícia teve a resposta para esse enigma: “Querida Cintia, certa feita seu falecido bisavô ganhou uma peça de lombo, como habitualmente acontecia, pela gentileza de um açougueiro que reconhecia nossa precariedade de valores materiais. Por não possuirmos muitos utensílios de cozinha, era necessário cortar as pontas da peça para que coubesse na única assadeira que possuíamos. E assim mantive escrito na receita para não me esquecer... e a receita espalhou-se assim por toda a família.”

Moral da história: há 70 anos, quatro gerações de uma mesma família repetem o mesmo comportamento e a mesma receita ... sem saber por que, à espera de dias melhores no ano novo.

E nós, no nosso dia a dia, quantas vezes “assamos o lombo”, na esperança de dias melhores, mas nos esquecemos de buscar fazer diferente para obter resultados diferentes?

Quantas vezes repetimos as mesmas atitudes, mas querendo resultados diferentes?

Um ano novo nasce - e com ele mais 365 dias de novas oportunidades para fazer diferente!

Lembre-se: um novo ano só começa a partir da renovação de nossas atitudes. Para que o novo chegue, é imperioso substituir as velhas fórmulas, os velhos hábitos para se obter novas receitas.

Desejo a todos um feliz 2018, com novas receitas, para que possamos atingir maiores e melhores resultados!

Boas vendas

Américo José da Silva Filho - Sócio Diretor da Cherto Atco Educação Corporativa
Email: americo.jose@cherto.com.br

+ NOTÍCIAS