notícias
Ouvir sem dor
07 jun '18

Fotos: © pathdoc

O ar muito seco, comum no outono e persistente no inverno, somado à queda de temperatura, provoca muitas doenças respiratórias em crianças, adultos e idosos. Um exemplo pouco mencionado são as otites – que são infecções virais ou bacterianas no aparelho auditivo que provocam dor, perda de audição e, às vezes, até zumbido. A Dra. Tanit Ganz Sanchez, presidente da Associação de Pesquisa Interdisciplinar e Divulgação do Zumbido (APIDIZ), explica quais são as principais doenças nos ouvidos nesta época do ano e o que deve ser feito para evitá-las.

Segundo as pesquisas, 90% das crianças têm pelo menos uma otite até os dois anos de idade. E o pior: quando a otite fica grave, o tímpano pode até perfurar de tanta secreção acumulada. Nesses casos, começa a vazar pus pelos ouvidos, aumentando a perda auditiva. Explica a Dra. Tanit Ganz Sanchez, otorrinolaringologista com doutorado e livre-docência pela FMUSP: “As chamadas otites médias costumam ser complicações de gripes e resfriados, ou seja, de problemas que primeiro acometem o nariz e a garganta. Como há uma ligação entre os ouvidos (a chamada tuba auditiva), os vírus ou bactérias podem passar para eles e causar a otite”.

Toda infecção do ouvido é chamada de otite. Existem dois tipos: a otite do inverno, chamada de otite média, e a do verão, chamada de otite externa. A otite média aguda é uma infecção por bactérias e vírus que provoca inflamação e/ou obstruções. Se não for tratada, pode levar à perda total da audição. Costuma ocorrer durante ou logo após gripes, resfriados, infecções na garganta ou respiratórias. É um tipo de otite comum em crianças, mas pode acometer pessoas de qualquer idade. Os principais sintomas são: dor muito forte, diminuição da audição, febre, falta de apetite, secreção local. O tratamento requer uso de antibióticos e analgésicos. Em dois ou três dias, a febre desaparece, mas a audição pode exigir mais tempo para voltar ao normal.

Recomendações

- Não introduza objetos que possam ferir a pele para limpar ou coçar o ouvido

- Enxugue a orelha com cuidado, usando uma toalha macia enrolada na ponta do dedo

- Evite o uso de cotonetes. Eles podem retirar a cera que protege o ouvido ou empurrá-la para dentro do canal auditivo

- Procure um otorrinolaringologista sempre que apresentar dor ou coceira nos ouvidos ou perda de audição.



Fotos: © Alexander Raths

Nariz, outra vítima

Segundo a Dra. Tanit, fundadora do Instituto Ganz Sanchez, primeiro centro de diagnóstico e tratamento de zumbido na América Latina, o nariz também complica nesta época do ano por dois três motivos:

A temperatura: o frio diminui os movimentos dos pelos que ficam dentro do nariz. Com isso, eles deixam de expulsar os agressores naturais do meio ambiente e a defesa do corpo fica prejudicada, pois eles não conseguem eliminar esses agentes irritantes tão bem como antes.

Falta de umidade suficiente: com o ar seco, diminui a hidratação normal das mucosas (revestimento interno do nariz, da boca e dos ouvidos). Assim, essa mucosa sofre uma irritação e começa a produzir muco. Esse muco no nariz provoca a rinite e a sinusite. Na garganta, provoca a faringite e, nos ouvidos, a otite. Por isso as infecções costumam chegar juntas.

Amplitude térmica: são as grandes mudanças de temperatura (mais de 10 graus) que ocorrem no mesmo dia ou de um dia para o outro. Esse choque térmico também pode precipitar as implicações das vias respiratórias.

Como se proteger das doenças respiratórias

Como as doenças respiratórias – otites, rinites, sinusites, faringites e amigdalites – costumam piorar no inverno e têm a mesma “plataforma” de medidas de prevenção, a Dra. Tanit lista algumas dicas simples e práticas para proteger a família:

– Colchão: vale a pena forrar e expor ao sol frequentemente.

– Travesseiro: sempre forrados e lavados a cada 15 dias; evite aqueles que são feitos de penas de aves ou de ervas.

– Roupas de cama: orienta-se a lavagem com água quente (>70ºC) e cobri-las com colcha. Troque cobertores por edredons porque acumulam menos poeira e agressores do nariz.

– Guardar objetos que acumulem pó, como bichos de pelúcia, livros e brinquedos. Quanto menos mobília no quarto nessa época, melhor.

– Carpetes: precisam de muita manutenção: aspirar regularmente com filtro de ar HEPA (High Efficiency Particulate Air) e usar acaricidas. Por isso, o melhor é evitar os carpetes e ter pisos de cerâmica, vinil ou madeira.

+ NOTÍCIAS