notícias
Qual é mesmo a função do farmacêutico?
05 jun '17

Foto: © william87

O subaproveitamento dos farmacêuticos em farmácias e drogarias aguça a discussão de que esse profissional onera a folha de pagamento. Muitos proprietários ainda não conseguem enxergar a importância e a aplicabilidade da presença do responsável técnico durante todo o horário de funcionamento do seu estabelecimento.

Muito se questiona sobre a presença do farmacêutico, os dias e as horas de seu trabalho. Mas pouco se fala do que pode e deve ser oferecido por essa categoria profissional para agregar valor à farmácia. As atribuições e as responsabilidades do farmacêutico em algumas situações ainda são vistas como uma ameaça às vendas e redução nas comissões, causando um clima hostil na equipe. Mas por que isso acontece afinal?

A farmácia é um estabelecimento de saúde ou comercial?

Na prática, é difícil desvincular essas atividades, pois, se o investimento não der lucro, não se mantém no mercado. Mas, se não tiver como objetivo promover e proteger a saúde da população, a farmácia perde sua razão de existir. Por esse motivo, proprietários, balconistas e farmacêuticos devem gerir esse conflito de modo a que não prejudique os objetivos da empresa.

Para facilitar esse convívio, se faz necessário entender que a responsabilidade técnica do farmacêutico não pode ser omissa, permissiva ou arbitrária, mas deve ser pautada na legislação vigente. É de responsabilidade do farmacêutico conhecer, interpretar e estabelecer condições para o cumprimento das normas sanitárias, elaborar o manual de boas práticas e Procedimentos Operacionais Padrão, manter arquivos que podem ser informatizados, com a documentação correspondente aos produtos sujeitos a controle especial, manter atualizada a escrituração e envio dos arquivos do SNGPC, fazer o balanço mensal e trimestral dos produtos sujeitos a controle especial, registrar as temperaturas, informar às autoridades sanitária locais reações adversas e interações medicamentosas, manter a documentação em dia, acompanhar a retirada e a destinação correta dos produtos próximos do vencimento, supervisionar o processo de aquisição de medicamentos e demais produtos, assegurar condições adequadas de conservação, promover treinamento inicial e contínuo dos funcionários para a adequação da execução de suas atividades, efetuar e/ou acompanhar os serviços farmacêuticos prestados, fazer acompanhamento farmacoterapêutico, prestar assistência farmacêutica necessária ao consumidor, avaliar a prescrição médica e orientar quanto ao uso seguro de medicamentos isentos de prescrição médica. A lista de tarefas, como se vê, é ampla – e justifica a presença do farmacêutico durante todo o período de funcionamento de farmácias e drogarias.

A relação custo-benefício de um funcionário fica mais fácil de ser mensurada quando este cumpre com as suas obrigações. A presença do farmacêutico é fundamental para executar, acompanhar e supervisionar as atividades descritas, de modo que sejam cumpridas, evitando multas e/ou interdições que causam prejuízos financeiros e negativos para a imagem da empresa.

O farmacêutico é um profissional qualificado, e seu valor pode medido e amplificado na sua capacidade de multiplicar seus conhecimentos, para garantir a qualidade e a eficácia dos produtos, a capacitação da equipe e o atendimento diferenciado aos clientes/pacientes da farmácia sob sua responsabilidade.

Por: Dra. Betânia Alhan
Consultora Especializada em Farmácias e Drogarias
Email: beta.consultoria@hotmail.com
www.betapharmaconsultoria.com.br

+ NOTÍCIAS